Agência ABEAR
Informações oficiais do setor aéreo; conteúdo pode ser reproduzido livremente pela mídia, mediante crédito para a fonte.

Qual a importância dos radares na aviação? ABEAR responde

Um problema elétrico na alimentação do sistema de radares que apoiam o controle de tráfego aéreo de São Paulo foi responsável por atrasar e cancelar dezenas de voos nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Campinas (Viracopos), em junho. Esse tipo de ocorrência alerta para a importância que os radares exercem na aviação. Afinal, qual a finalidade desse equipamento? Os consultores técnicos da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR) respondem.

“Os radares servem, essencialmente, para fornecimento de informações de localização, altitude, velocidade, direção de deslocamento e meteorologia, dados que são primordiais na aviação”, explica o consultor técnico da ABEAR, Paulo Roberto Alonso. Isoladamente, portanto, a comunicação por radares serve para informar precisamente ao piloto e ao controle de tráfego a posição de uma aeronave no espaço aéreo. Como diversas aeronaves voam simultaneamente, de forma a agregada a comunicação por radar de cada uma delas serve para que todas possam se deslocar em conjunto, coordenadamente, sem se tocar. No caso de São Paulo, o cenário adverso fez com que, por segurança, as aeronaves em tráfego fossem controladas de maneira convencional, ou seja, aumentassem por segurança a distância umas das outras, tendo como consequência atrasos e cancelamentos.

Os radares têm dois tipos de classificação: os primários fornecem a localização da aeronave, enquanto que os secundários informam altura, velocidade e direção. A comunicação entre os radares e as aeronaves ocorre graças ao transponder, aparelho emissor-receptor que responde automaticamente ao sinal de um radar. “O transponder também é responsável pela comunicação entre uma ou mais aeronaves, gerando assim o sistema anticolisão chamado TCAS”, esclarece o consultor técnico da ABEAR Raul Souza, referindo-se ao Sistema de Alerta de Tráfego e Prevenção de Colisão (tradução livre da nomenclatura em Inglês Traffic Alert and Collision Avoidance System). 

Nos aviões, radar meteorológico está localizado no radome da aeronave

Meteorologia

Além dos radares em terra, o avião conta com um radar meteorológico a bordo, cujas antena estão posicionadas dentro do radome (parte em formato de cone localizado no nariz da aeronave). Com ele é possível prever rajadas de vento, intensidade de chuva e outras adversidades a quilômetros de distância. “Quanto mais próximo da condição meteorológica adversa, maior deverá ser a precisão”, afirma Souza. O radar primário, localizado em solo, também tem papel meteorológico e é usado ainda, por órgãos de meteorologia. 

Estrutura

No Brasil, o controle de circulação aérea é realizado pelos Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA). Ao todo, são quatro centros que cobrem  o território nacional. São Paulo, por ser um estado com intensa movimentação aérea, possui um organismo próprio de controle, o Serviço Regional de Proteção ao Voo de São Paulo (SRPV-SP), sediado no aeroporto de Congonhas. Os CINDACTAs e o SRPV-SP monitoram o tráfego aéreo nacional por meio de centenas de radares primários e secundários.

Notícias Relacionadas

A ABEAR foi criada em 2012 pelas companhias AVIANCA, AZUL, GOL, TAM (hoje LATAM) e TRIP, com a missão de estimular o hábito de voar no Brasil. A entidade tem ainda mais quatro associadas: Boeing, Bombardier, LATAM Cargo e TAP. Saiba mais
  • Av. Ibirapuera, 2332 - Conj. 22 - Torre Ibirapuera I
    Moema | 04028-002 | São Paulo | SP
    + 55 11 2369-6007
  • Av. Marechal Câmara, 160, Ed. Orly, 8º andar - sl. 832 |
    Centro | 20020-080 | Rio de Janeiro | RJ
    + 55 21 2532-6126
  • SAUS Quadra 1 - Bloco J , 10/20 - Edifício CNT - Sala 506
    70070-944 | Brasília | DF
    + 55 61 3225-5215